Topo do Governo de Pernambuco
Link para Barra do Governo do Estado de Pernambuco PortalPE - pgina histria de Pernambuco PortalPE - pgina Perfil do Gorvenador PortalPE - pgina Secretarias do Estado PortalPE - pgina Programas do Governo PortalPE - pgina ltimasNotcias PortalPE - pgina Servios Online PortalPE - pgina Rdio SEI

Not�cias

Not�cias

Publicado em 06/05/2011 | Categoria: APAC em destaque
Voltar

Estado prega a tranqilidade

O governador Eduardo Campos tentou conter a enxurrada de boatos sobre enchentes e destruição de barragens em Pernambuco, convidando os diretores de redação dos principais veículos de comunicação do Estado para uma reunião, na tarde de ontem, no Palácio do Campo das Princesas. Durante o encontro, Eduardo prestou contas do que vem sendo feito na Mata Sul desde a enchente de 2010 e assegurou que o governo tem condições de alertar a população para qualquer intempérie com 12 horas de antecedência. O governador também pediu a colaboração da imprensa para tranquilizar a população.

Se algo de extraordinário estivesse acontecendo, o primeiro a avisar a população seria o governo. Eu iria para a televisão, para o rádio, ia dizer qual era o problema e quais as providências que precisariam ser adotadas. Nós estamos trabalhando com a verdade e a verdade será sempre a nossa guia nesse momento, disse Eduardo.

O governador fez questão de desmentir as informações de que uma catástrofe iminente rondava o Recife. Entre o boato que está nas ruas e o que o governo está dizendo, fiquem com o que os técnicos do governo estão dizendo. Não tem nada de enchente, não tem nenhum problema com barragem. Não há porque as pessoas imaginarem que a água do canal que transbordou perto de um shopping ou em outro local seja enchente. Isso não é enchente, isso é uma situação de maré alta com muita chuva, que acontece nesta época todos os anos, assegurou.

A reunião se transformou em entrevista coletiva com os jornalistas perguntando sobre que vem sendo feito nas áreas atingidas pelas águas em 2010. Eduardo Campos revelou que o governo está construindo 12 mil casas, em 21 municípios.

É como se estivéssemos construindo uma cidade de 60 mil habitantes. Com toda a infraestrutura necessária. Se tivessem passado dois anos e nada acontecesse, mas temos dez meses da enchente de 2010. É impossível realizar uma obra desse porte em tão pouco tempo, lembrou Eduardo. As primeiras casas devem ser entregues à população até o fim do mês que vem.

TEMPO REAL

Na próxima terça-feira, o governo do Estado vai inaugurar uma central de monitoramento climático na Agência Pernambucana de Água e Clima (APAC). Os técnicos receberão informações em tempo real de plataformas de coleta de dados, de réguas de nível ao longo do leito dos rios e de radares meteorológicos para antecipar possíveis enchentes e chuvas torrenciais.

Teremos, ainda, um software que, baseado em informações topográficas das cidades e na previsão do tempo serão capazes de prever os trechos dos municípios que ficarão submersos, pontuou o governador Eduardo Campos.

O gerente de Meteorologia e Mudanças Climáticas da Agência Pernambucana de Água e Clima, Patrice Oliveira, observou que o início do mês de maio teve uma precipitação atípica em Pernambuco.

Em abril, choveu bem mais do que esperado, mas isso ocorreu ao longo de todo o mês. Maio começou bem diferente. No dia, em Palmares, por exemplo, tivemos uma precipitação, em 24 horas, superior ao previsto para o mês inteiro. Houve tempo de alertar a população, mas enfrentamos novo alagamento. Felizmente, nas próximas 72 horas não há indicativo de nenhuma chuva forte para o Estado, concluiu Oliveira.

 

Fonte : Jornal do Commercio